Viena volta a ser a melhor cidade para viver

Viena volta a ser a melhor cidade para viver

Viena voltou a liderar a lista das cidades mais habitáveis em um índice anual publicado nesta quinta-feira (23/06) pela revista britânica The Economist. A capital da Áustria já havia conquistado o título em 2018 e 2019.

"Estabilidade (segurança) e boa infraestrutura são os principais atrativos da cidade para seus habitantes, apoiadas por bons cuidados de saúde e muitas oportunidades de cultura e entretenimento", aponta o relatório.

Em segundo e terceiro lugares na lista estão Copenhague, capital da Dinamarca, e Zurique, na Suíça.

Em 2021, a qualidade de vida nas metrópoles europeias caiu significativamente devido à pandemia de covid-19 e às restrições a ela associadas. Viena havia ficado em 12º lugar no ano passado, segundo o ranking da The Economist Intelligence Unit (EIU), que pertence ao mesmo grupo da The Economist.

No Estado insular isolado da Nova Zelândia, no entanto, a vida foi menos afetada pela pandemia, o que garantiu à cidade de Auckland o primeiro lugar em 2021. Mas com o afrouxamento das medidas anticovid em outros países, Nova Zelândia, Austrália e China voltaram a cair no índice atual. Auckland, por exemplo, ficou em 34º lugar neste ano.

As cidades são avaliadas segundo os critérios estabilidade (situação de segurança), saúde, cultura e meio ambiente, educação e infraestrutura.

Cidades alemãs

As cidades da Europa Ocidental e do Canadá dominam o topo do ranking. Capital financeira da Alemanha, Frankfurt subiu 32 lugares para a 7ª posição, enquanto Hamburgo e Düsseldorf ficaram em 16º e 22º.

A melhora nas pontuações das cidades alemãs se deve à abertura de lojas, restaurantes e museus, disse Upasana Dutt, chefe do índice de qualidade de vida. "A educação melhorou à medida que as crianças estão voltando às escolas e houve uma redução significativa na carga de hospitais e sistemas de saúde", acrescentou.

A maioria das cidades alemãs mais bem classificadas obtém as melhores notas em infraestrutura e saúde. No entanto, quando se trata dos fatores educação e estabilidade, a Alemanha não alcança posições de topo.

Kiev de fora

Entre as metrópoles europeias, Paris, capital da França, aparece em 19º, ou 23 posições acima do ano passado. Londres, na Inglaterra, ficou em 33º lugar, enquanto Milão, na Itália, foi a 49ª cidade mais habitável. Já Nova York, nos Estados Unidos, é a 51ª, segundo o ranking.

A capital ucraniana, Kiev, não foi incluída neste ano devido à invasão russa em curso. Enquanto isso, as russas Moscou e São Petersburgo caíram no ranking devido ao "aumento da instabilidade, censura, imposição de sanções ocidentais e empresas retirando suas operações do país". De 172 cidades avaliadas, elas ficaram em 96º e 107º lugares, respectivamente.

Lanternas

Damasco, a capital da Síria devastada pela guerra, ficou com a pior classificação em termos de condições de vida. Também no final da lista estão Lagos, na Nigéria, Trípoli, na Líbia, Argel, na Argélia, e Karachi, no Paquistão. Das dez cidades com classificação mais baixa, sete ficam no Oriente Médio e na África.

"Guerras, conflitos e terrorismo" foram os principais fatores listados pelo relatório sobre a baixa habitabilidade dessas cidades.

As dez cidades mais habitáveis do mundo

  1. Viena (Áustria)
  2. Copenhague (Dinamarca)
  3. Zurique (Suíça)
  4. Calgary (Canadá)
  5. Vancouver (Canadá)
  6. Genebra (Suíça)
  7. Frankfurt (Alemanha)
  8. Toronto (Canadá)
  9. Amsterdã (Holanda)
  10. Osaka (Japão) e Melbourne (Austrália)

rw/ek (AFP, DW, EIU)